Make control, not war

As drogas existem porque nascemos com neuroreceptores para as disfrutar ( já dei muitos exemplos aqui no blogue), porque muita gente as deseja e porque sabemos plantar sintetizar, transportar e negociar. A war on drugs tem o mesmo significado do que a guerra ao presunto.

 

Sangin, Helmand ( ou Hilmand) , Afeganistão, 2005. Programa de erradicação da papoila. O presidente Karzai tinha prometido  aos embaixadores americano e inglês  a destruição  de 80 % do  cultivo na região de Helmand.

Joel Hafvenstein percorre a zona, protegido pelo walaswal local. Polícias em uniforme azul  com AK47  asseguram o trabalho dos tractores. Os camponeses assistem, impotentes, ao crescimento das suas dívidas e da sua miséria. Joel recorda os acontecimentos de  2000 quando  os Taliban conseguiram zero ópio  em Helmand. Foi bonito, mas o Mullah Omar o que conseguiu foi  aumentar de novo o preço ( estava em queda)  e enriquecer os taliban que tinham ópio em stock. A ideia americana era fazer o mesmo que na Colômbia.

 

O famoso Plan Colombia,  lançado por Clinton em 2000, e que será aqui discutido com detalhe noutra ocasião, injectou 7, 5 biliões de dólares para fumigar  a produção de coca. Mesmo que avaliação  fosse positiva em 2005 ( era muito cedo e hoje ainda é altamente controversa) , é estupidificante a igorância americana  em querer transplantar a ideia para o Afeganistão. Tal como os vírus ( tão discutidos agora) , também estas ditas pragas dependem de variáveis... antropogénicas, digamos assim.  Mais não fosse, a estrutura social no Helmand, totalmente submetida ao aparelho religioso, deveria ter feito os responsáveis americanos pensar duas vezes. Acresce, é óbvio, um monte de diferenças geográficas, históricas e  políticas  e, sobretudo, ser uma zona de guerra real ( não apenas de cartéis).

Doze anos depois da viagem de Joel Hafvenstein: Hilmand remained the country’s leading opium poppy cultivating province, followed by Kandahar, Uruzgan,2and Nangarhar.

 

 

 

 

 

 

publicado por FNV às 09:06 | link do post | comentar